"A inspiração vem dos outros. A motivação vem de dentro de nós."
comentar
escrito por Dreamer, em 09.07.10 às 00:07link do post | favorito

Foram anos de aprendizagem.

Independência. 

Descoberta.

Amizade.

Solidão.

Stress.

Festas.

Descontrolo.

Cumplicidade.

Companheirismo.

 

 A miúda da cidade ribatejana, chegada à capital a medo, descobriu surpreendentes mundos novos. Ficam poucos amigos, mas os suficientes para não ter sido uma viagem em vão.

Mais que conteúdos programáticos, aprendi sobre a vida...

E são esses ensinamentos que guardarei para sempre.

 

"Ninguém disse que a vida era justa."

Dizia o então director da minha licenciatura, quando nos recebeu há três anos atrás.

Apesar de já ter perfeita noção disso, tive a confirmação ao longo deste tempo.

Foram alguns os interesseiros e oportunistas que se saíram bem sem o merecer.

Mas pouco me importa, sempre dei o melhor de mim, isso deixa-me tranquila.

 

"Quando acabarem o curso vão sair daqui pessoas diferentes."

Na altura pensei: "Ok, balelas. Eu vou ser sempre eu, não vai ser a faculdade que me vai mudar". Hoje noto o quão errada estava. Mudei e muito.

Caí na realidade, passei a ver o mundo de forma mais fria e prática, deixando (um pouco) de lado os floreados que a minha inocência e ingenuidade proporcionavam.

 

"Olhando para trás, fariam coisas de forma diferente. E não me digam que não..."

Sim, sem dúvida que mudava algumas coisas, mas apenas o que não cheguei a fazer.

 

Chegou ao fim. Chegou ao fim este caminho.

E com ele, talvez o fim deste blog.

 

 

(Não esqueço os conselhos antes da entrada na faculdade. 

Nem toda a ajuda e preocupação. Saudades...

Ao S.M., obrigada.)

 


Teria tanto para aqui escrever, mas não posso.

Um ano depois... Parece que foi hoje mesmo.

Fiquemos assim!

(...)


 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 17.06.10 às 00:32link do post | favorito

O que há em mim é sobretudo cansaço -
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas -
Essas e o que falta nelas eternamente -;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada -
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...

O que há em mim é sobretudo cansaço,

Álvaro de Campos - heterónimo de Fernando Pessoa


comentar
escrito por Dreamer, em 16.06.10 às 00:20link do post | favorito

Tudo na mesma. Pouco mudou.

O sentimento não desaparece...

E a fraqueza tem sido mais forte que eu.

 

Coração, quando páras de sentir?

Preciso tanto de t.... descanso. 

 

 

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 06.06.10 às 18:14link do post | favorito

Perdi-me.

Não me reconheço.

Pouco me encontro no dia-a-dia.

A ansiedade, o nervosismo e a pressão tomaram conta de mim. Roubaram-me a calma e a segurança. Mexo e remexo na ferida, mesmo sem querer. Não consigo que cicatrize de vez. Por pensar duas vezes, tenho controlado os impulsos. Mas tudo continua aqui dentro a remoer, lenta e dolorosamente.

 

Quero gritar.

Quero que me ouçam.

Todos parecem surdos.

Todos parecem indiferentes.

Todos parecem desligados de mim.

 

Quero fugir.

Quero procurar-me e voltar a mim.

Estou cansada... Esta não sou eu!


comentar
escrito por Dreamer, em 24.05.10 às 23:28link do post | favorito

"...or beautiful nightmares."

 

Eu só quero parar de sonhar.

Já consegui deixar de sonhar acordada.

 

Eu só quero que a minha mente desdenhe.

Já consegui ocupar as minhas ideias com tudo e nada.

 

Eu só quero que o meu subconsciente se controle.

Já consegui fingir que tento controlar o consciente...

 

Eu só quero que os sonhos não apareçam durante o sono.

Eu só quero descansar, sem acordar sufocada pela memória.

 

 

Boa noite.

E bons sonhos...


comentar
escrito por Dreamer, em 16.05.10 às 00:59link do post | favorito

Parece que sim, que ainda cá estou. Esta ausência mais espaçada justifica-se por mudanças que me reduziram o tempo livre. No entanto, como a falta de tempo não é uma desculpa aceitável, admito que foram a falta de vontade e uma certa apatia que me levaram a ficar no meu cantinho.

Tenho a partilhar que finalmente o médico endocrinologista, depois de uns quantos exames, detectou umas glândulas alteradas devido ao sistema nervoso. Segundo ele, essas glândulas provocam-me maior ansiedade e agressividade (a mim que sou uma paz de alma?!). Bom, tendo isto em conta, comecei a tomar uns comprimidos para me ajudar nesse sentido e no sentido da minha "companheira". Esperam-se resultados.

Mudando de assunto, hoje foi a Bênção das Fitas. Pois é, sou finalista, passaram três anos de licenciatura. Muito tenho a dizer sobre isso, mas não agora, que os olhos já tendem a pesar de sono. Por hoje, apenas agradeço a quem escreveu fitas minhas. As vossas palavras foram invadindo o meu coração de vida e vão continuar a fazê-lo de cada vez que as ler. Foram uma mão cheia de luz e carinho. Obrigada.

Sobrou-me uma fita, a vermelha, que no meu curso seria para dar "à pessoa especial". Foi com esse intuito que a comprei na altura. Ainda não foi escrita, mas será. Há pessoa mais especial nesta caminhada do que eu mesma? Eu mereço essa fita. Sim, de mim para mim. Ok, chamem-me "croma", o que quiserem. Eu entendo o significado que iria ter, esse foi manchado. Serei eu a dar um novo significado. O meu. Estou aqui, ainda.

 


comentar
escrito por Dreamer, em 09.04.10 às 17:06link do post | favorito

Dia nove. Mês de Verão.

 

O Verão dilatou a alma de felicidade.

O Outono deitou por terra a ilusão.

O Inverno congelou a esperança.

 

E hoje, dia nove. Mês de Primavera.

Nove meses depois. Nada mais há a dizer.

Tudo morreu, tudo chegou ao fim.

Muito tenho feito para tentar saber de ti. Dou-me a esse trabalho.

Todos os dias, vezes sem conta, vou onde sabes que vou.

Mas nada, são raras as vezes em que há novidades.

Tudo isso tem de acabar, tudo isso vai acabar.

Hoje, pelo que vi, já nem deves lembrar de mim, de nada.

Fui um número. Um número sem alma e sentimentos.

Destesto o que me fizeste, com todas as minhas forças.

Mas não consigo detestar-te. Nem quero.

De que adiantaria?

Só faria mal a mim mesma. Como tenho feito.

Mas isso tem de mudar, mas isso vai mudar.

Chega.

 

Vou deixar de lado o mal que me consome.

Vou "guardar o que é bom de guardar".

Serás sempre parte de mim.

Tu. Tu que afinal és real, boa sorte.

Tu. Tu personagem que amei, sê feliz.

 

E como me disseste, vezes sem conta, "passado é passado... não importa mais".

Agora entendo porque o dizias. Entendo como para ti é fácil. Antes assim.

Este é o meu adeus, a despedida. Não para ti,  mas para a tua existência em mim.

O muro das lamentações termina aqui. E a fonte, aquela que no Inverno abundava, secou.

 


 

 

Até sempre. 


comentar
escrito por Dreamer, em 09.04.10 às 16:02link do post | favorito

Aos que me ouviram.

Aos que me deram força.

Aos que me aconselharam.

Aos que tentaram mostrar-me a verdade.

Aos que não desistiram quando me viram cega.

Aos que não se deixaram vencer pela minha teimosia.

 

 

A vocês, meus Amigos.

Obrigada.

 

É tempo de virar a página.

Conto convosco.

 

 


 

Lembro-me das noites sem dormir
Das canções que ouvíamos lado a lado
Segredos e frases que então trocamos
Naquele vazio do passado


Eu sei que tudo passa
Tudo fica para trás
É como um livro que não li
Por isso eu sinto e sei que te vou esquecer
Que desta vez irei dizer
Eu primeiro
Virar a página é querer rasgar as cartas que eu te escrevi
Sei que vou sair e viver sem ti

 

Lembro-me da chuva em Agosto
E sinto que nada é permanente
Sei que tudo muda e que tudo passa
Nunca nada é para sempre

 

Eu sei que tudo passa
Tudo fica para trás
É como um livro que não li
Por isso eu sinto e sei que te vou esquecer
Que desta vez irei dizer
Eu primeiro
Virar a página é querer rasgar as cartas que eu te escrevi
Sei que vou sair e viver sem ti

Por isso eu sinto e sei que te vou esquecer
Que desta vez irei dizer
Eu primeiro

 

(...) Anjos - Virar a Página


comentar
escrito por Dreamer, em 07.04.10 às 18:31link do post | favorito

"Todos os finais são também começos. Só não o sabemos na altura." Mitch Albon


comentar
escrito por Dreamer, em 05.04.10 às 20:36link do post | favorito

Alguém sabe como se faz reset a certas memórias?

Gostava de conseguir parar de pensar, mas tudo me faz recordar.

Só o tempo vai diluir o que sinto e o que vivi... espero.

 

"A maior cobardia de um homem é despertar o amor de uma mulher

sem ter intenção de amá-la." Bob Marley


comentar
escrito por Dreamer, em 28.03.10 às 22:01link do post | favorito

Hoje ouvi aquela música. Fez-me recordar, um a um, todos os momentos que pensava terem sido sinceros e sentidos, tal como sempre acreditei que fossem, tal como foram para mim.

Essa música simbolizava o meu amor. O meu amor por alguém que afinal não existe. Alguém por quem tinha a maior admiração e orgulho. Simbolizava a minha crença nesse amor e a escolha consumada de lutar por ele. Mas não... foi tudo errado! Foi uma má escolha...!

 

"O dia em que te esqueci foi o dia em que ouvi a nossa música e não me lembrei de ti."

Margarida Rebelo Pinto, n' O dia em que te esqueci

 

love is like a music...
Quando vai chegar esse dia?!

 


comentar
escrito por Dreamer, em 15.03.10 às 22:42link do post | favorito

Como?

Como é que se consegue fingir tanto?

Como é que se insiste em inventar mil desculpas?

Como é que se consegue manter uma farsa assim?

Como é que se consegue viver um personagem a cada dia?

Como é que se consegue a total confiança de alguém sem a merecer?

Como é que se pode enganar alguém a quem se diz, olhos nos olhos, "Amo-te"?

Como é que se convence alguém de que é diferente de todas as outras pessoas?

Como é que se afirma que se detesta a mentira quando se convive com ela a cada segundo?

Como é que se manda tanta areia para os olhos de alguém que, por si só, já estão cegos?

Como é que se pode ser tão cruel para quem se entregou de alma e coração?

Como é que se consegue dizer "se não te amasse não estava aqui contigo"?

Como é que se nega a verdade perante tudo o que a demonstra?

 

Como?

Como é que não percebi?

Como é que consegui ser tão ingénua?

Como é que fui tão burra?

Como?

 

Como é que eu já tenho as respostas e ainda me custa aceitá-las?

Como?

 

Mas "o que não nos mata, torna-nos mais fortes..."

Como tu dizias.

 

 


Afinal a rosa não teve como renascer...

Vou deitá-la fora, de vez, para sempre...

E acabaram-se as reticências. Ponto final.


 


comentar
escrito por Dreamer, em 10.03.10 às 20:44link do post | favorito

Conseguiste fazer-me acreditar, confiar e amar.

Mas conseguiste fazer também aquilo que eu mais temia.

E conseguiste fazer o que mais disseste que nunca farias.

 

Foi assim, conseguiste destruir-me.

 Morri... para ti.

 


comentar
escrito por Dreamer, em 05.03.10 às 19:32link do post | favorito

De tanta petrificação, a respiração quase parou  e o coração teve dificuldade em bater.

O meu interior está congelado. As pequenas pedras de gelo acumularam-se, uma a uma. À medida que caíam magoavam, primeiro de forma subtil fantasiada por aquilo que nos cega, depois de forma tão natural que o hábito controlou a dor. Formaram, agora, um enorme iceberg, aquele que se tinha derretido no Verão.  E hoje, hoje caiu, gelada e cortante, mais uma pedra de gelo...

Assim está o meu mundo, a ficar cada vez mais escuro. E não depende de mim clarificá-lo. Talvez não dependa de ninguém. Talvez ele tenha mesmo de ser escuro. E então? Eu até gosto de cores escuras... Balelas... Estou destruída, hoje.

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 22.02.10 às 20:13link do post | favorito

A porta que se abria para me refugiar está trancada. Os amigos estão presentes mas distantes. Outros seres perto, mas para lá de ausentes. Estou sozinha. Nem comigo mesma me encontro. O meu eu está perdido entre as angústias e os medos que se tornaram, possivelmente, crónicos. Sozinha e só. Completamente. Nunca fizeram tanto sentido aquelas frases que dizem que solidão é sentirmo-nos sós ainda que rodeados de pessoas.

Vou ocupar o silêncio e o vazio com a procura do que fui perdendo, lenta e dolorosamente... Quem sabe se me reencontro... sozinha.


comentar
escrito por Dreamer, em 20.02.10 às 17:36link do post | favorito

Ouvi Dizer - Ornatos Violeta

 

Ouvi dizer que o nosso amor acabou.
Pois eu não tive a noção do seu fim!
Pelo que eu já tentei,
Eu não vou vê-lo em mim:
Se eu não tive a noção de ver nascer um homem.
E ao que eu vejo,
Tudo foi para ti
Uma estúpida canção que só eu ouvi!
E eu fiquei com tanto para dar!
E agora
Não vais achar nada bem
Que eu pague a conta em raiva!
E pudesse eu pagar de outra forma!

 

Ouvi dizer que o mundo acaba amanhã,
E eu tinha tantos planos pra depois!
Fui eu quem virou as páginas
Na pressa de chegar até nós;
Sem tirar das palavras seu cruel sentido!
Sobre a razão estar cega:
Resta-me apenas uma razão,
Um dia vais ser tu
E um homem como tu;
Como eu não fui;
Um dia vou-te ouvir dizer:
E pudesse eu pagar de outra forma!
Sei que um dia vais dizer:
E pudesse eu pagar de outra forma!

 

A cidade está deserta,
E alguém escreveu o teu nome em toda a parte:
Nas casas, nos carros, nas pontes, nas ruas.
Em todo o lado essa palavra
Repetida ao expoente da loucura!
Ora amarga! Ora doce!
Pra nos lembrar que o amor é uma doença,
Quando nele julgamos ver a nossa cura!

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 31.01.10 às 17:18link do post | favorito

"O amor não é o que idealizamos, mas antes o que construímos. E a magia de um amor construído reside nos mais pequenos gestos; está em tudo o que fazemos e dizemos. É muito mais fácil de encontrar do que as pessoas imaginam. Para que isso aconteça é preciso que os dois queiram, que os dois acreditem, que os dois consigam olhar para o amor da mesma maneira e para o futuro com os mesmos olhos. E é preciso que tanto um como outro percebam o quanto o amor é importante na existência. É preciso dar espaço ao amor, encontrar-lhe um lugar na nossa vida. E tu nunca soubeste dar esse espaço, encontrar o tal lugar. Dommage."

 

Margarida Rebelo Pinto, n'O Dia em que te esqueci


comentar
escrito por Dreamer, em 29.01.10 às 11:23link do post | favorito

Três anos passaram desde aquele dia D em que decidi começar, e comecei, uma dieta alimentar, que mudaria a minha vida, e mudou.

Este último ano leva-me a sentir vergonha, frustração e desilusão, de mim mesma. No entanto, ainda continuo aqui, em carne e osso, mais carne que osso é certo, mas cá estou para recomeçar, uma vez mais. Pensei que tudo se tornasse mais fácil, mas aconteceu o contrário. E já é hora de parar, novamente, de fazer mal a mim própria. E se já estão fartos de ler estas balelas, farta estou eu de as escrever, e mais, de as sentir, acreditem.

Alguns amigos já associaram a frase "só não consegue quem desiste" à minha pessoa, nas mais diversas situações. E não, não vou ser eu a desassociar-me dela depois de ter acreditado. Camaradas, a luta continua! Passaram três anos, mas falta-me o resto da vida...


comentar
escrito por Dreamer, em 25.01.10 às 18:26link do post | favorito

Hoje olhei para aquela rosa, aquela que ali guardo já seca e escurecida pelo tempo. E hoje vi. Vi os espinhos que tem. Preferia que os não tivesse e que voltasse ao vermelho aveludado que uma vez foi. Gostaria de saber se, apesar de seca, ela se sente regada, viva e acarinhada. Reparei também nas suas folhas estáticas e fragéis, sem vitalidade. Gostaria de as ver em movimento e preenchidas do verde esperança que outrora tiveram.

Aquela rosa aberta virada para a luz e para o mundo, para o meu mundo, entristeceu. Encolheu. Fechou. E murchou. Aos meus olhos pode até continuar com a mesma beleza, mas concordo que mudou, mudou muito. Poderia deitá-la fora hoje mesmo, ou até amanhã. Não o faço por uma simples razão, porque me pareceria uma despedida. Sim, hoje, amanhã ou até depois, separar-me daquela rosa seria como despedir-me de algo em que eu ainda não deixei de acreditar. Vou continuar com ela ali, até ao dia em que perceber que ela renasceu.

 

Que renasça enquanto eu continuar a sonhar...


comentar
escrito por Dreamer, em 20.01.10 às 23:46link do post | favorito

É forte o aperto.

É profunda a tristeza.

É avassaladora a angústia.

 

Estou a destruir-me aos poucos...


comentar
escrito por Dreamer, em 31.12.09 às 15:58link do post | favorito

Se há um ano atrás estava sozinha e não me sentia só, este ano sei que sozinha não estou, mas sinto-me mais só que nunca. São voltas e reviravoltas da vida. Foram dias cheios e preenchidos. Não sei bem como fazer um balanço deste ano que agora passa. Sei que me levou uma amizade que julguei para a vida. Sei que me trouxe algo que não mais esperava, mas como que atreladas vieram confusões e angústias. Quanto à outra parte de mim, aquela que está sempre presente, sinto que foi um ano em vão. Um sobe e desce do ponteiro da balança. Ora mais 5kg, ora menos 5kg. Assim tem sido. Falhei. Não vou voltar a dizer cheia de floreados que "sei que vou conseguir e não vou desistir". Já chega disso. Fartei-me e sinto que fui fartando os outros. Sei o que quero, vou viver um dia de cada vez. Os resultados logo se vêem. Ou para o bem ou para o mal. Desejos para 2010? Saúde. Sossego. E que 2010 traga de volta a magia que vivi em alguns momentos de 2009. Que traga de volta, um pouco que seja, do sonho que comecei a viver. É o que mais quero...

 

 

"Os sonhos nunca desaparecem enquanto as pessoas não os abandonam..."

Tudo de bom para este novo ano.

A todos, um feliz 2010.

 


comentar
escrito por Dreamer, em 24.12.09 às 13:05link do post | favorito

Pois é, parece que é Natal. Mais um.

Paz, harmonia, felicidade, alegria, amor, união, sorrisos.

Supostamente o Natal deveria ser repleto de boa energia.

Nem todos têm esse prazer, esse calor, esse aconchego...

Poderia (e precisava) dizer muito mais, mas fico-me por aqui.

Ficam palavras por escrever, excepto o tradicional desejo de feliz Natal.

Que seja cheio de coisas boas, daquelas que sabem que vos desejo...

 

 

Continua a parecer que foi ontem. E eu continuo aqui. Feliz Natal S.M.

 

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 16.12.09 às 23:12link do post | favorito

Não foram poucas as pessoas que, ao longo do tempo, traíram a minha confiança. Ou por serem mentirosos, ou por serem interesseiros, ou por inúmeras outras razões. O certo é que me desiludiram. Com algumas dessas decepções aprendi, não tão pouco assim.

No entanto, nunca pensei em deixar de acreditar nas outras pessoas por alguém um dia me ter feito isto ou aquilo. Acredito simplesmente. Acredito inteiramente.

 

Decidi confiar a minha alma, o meu eu... a outro alguém.

E apesar de todos os medos envolventes, confiei mesmo.

E continuo a confiar... mesmo que desconfies que eu não confio.

 

Só depende de nós acreditar.

Eu acredito.

E tu?!


comentar
escrito por Dreamer, em 03.12.09 às 17:05link do post | favorito

You know I can't smile without you
I can't smile without you
I can't laugh and I can't sing
I'm finding it hard to do anything
You see I feel sad when you're sad
I feel glad when you're glad
If you only knew what I'm going through
I just can't smile without you

You came along just like a song
And brightened my day
Who would have believed that you were part of a dream
Now it all seems light years away

And now you know I can't smile without you
I can't smile without you
I can't laugh and I can't sing
I'm finding it hard to do anything
You see I feel sad when you're sad
I feel glad when you're glad
If you only knew what I'm going through
I just can't smile

Now some people say happiness takes so very long to find
Well, I'm finding it hard leaving your love behind me

And you see I can't smile without you
I can't smile without you
I can't laugh and I can't sing
I'm finding it hard to do anything
You see I feel glad when you're glad
I feel sad when you're sad
If you only knew what I'm going through
I just can't smile without you

 

Barry Manilow - Can´t smile without you (1978)

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 28.11.09 às 18:25link do post | favorito

Como um dia que quer brilhar sem Sol...

Como uma voz que quer gritar mas é muda...

Como uma mão que esmaga algo com força...

Como um baú pequeno demais para o que contém...

Como uma lágrima que quer cair mas não consegue...

Como um olhar verdadeiro que se esconde com medo...

 

É assim que a saudade se reflecte no coração.

É assim que aprisiona, que aperta, que sufoca...

 

 

Do teu eu, da tua presença... sinto saudade.


comentar
escrito por Dreamer, em 22.11.09 às 20:33link do post | favorito

Todos os dias procuro, mas ainda não encontrei resposta.

 

A pergunta é sempre a mesma...

 

 

Porquê?!

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 18.11.09 às 20:22link do post | favorito

Algo nesta vida é adquirido?

Não é por conseguirmos o que queremos, que nos podemos acomodar.

Não, não pode ser assim. Ah e tal, se já tenho, para quê preocupar-me? É meu...

 

Não, nada nunca nos pertence inteiramente.

Adoptar uma atitude passiva perante o que conseguimos não é a melhor opção.

Corremos o risco de ver aquilo por que lutámos despedir-se de nós.

Seja o que for... 

 

Afinal, algo nesta vida é adquirido?

Nada. Nem mesmo a própria vida...

Tudo tem uma "posse" temporal.

Até as pessoas.


comentar
escrito por Dreamer, em 11.11.09 às 20:34link do post | favorito

Dias diferentes, estes. 

Estudar e estudar, trabalhos e mais trabalhos.

Lágrimas de ansiedade, de medo, de alegria. Tudo um pouco.

 

Emigrei? Estou a fazer erasmus algures pela Europa? Não, pois não?

Preciso que me digam. Às vezes penso que sim. Muito me diz que sim.

 

Gostava de entender alguns porquês. De entender algumas mudanças.

Ok, tenho uma lista de razões. Aceito-as. E assim fico. À espera...

 

Sabem uma coisa? Gostava muito de poder ler pensamentos.

Só os que me tirassem dúvidas. Queria poder ter certezas, totalmente.

 

Mas isso é possível?

Eu acredito que sim, mas...

Vou continuar a tentar perceber.

 

(Pouco nexo tem tudo isto, não é? Faltam ligações, faltam sentidos... Tenho-os para mim. Hoje apeteceu-me isto. Não tentem compreender, isso cabe-me a mim... e não é tão simples assim.)


Passei no exame de condução! Um obrigada ao meu querido instrutor que tanta paciência teve comigo.


comentar
escrito por Dreamer, em 01.11.09 às 14:50link do post | favorito

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 20.10.09 às 18:37link do post | favorito

De que me serve viver num local onde vivem quase duas centenas de pessoas? Há quem já o tenha comparado a um hospital ou a uma prisão... De que me vale passar nos corredores e me perguntarem se está tudo bem só como forma de cumprimento? Respondo-lhes com um sorriso amarelo que sim, quando me dão tempo para dar a resposta... De que me serviria parar e dizer "Não, não está tudo bem!"? De que adiantaria? Não iam ficar ali a espera que contasse os meus problemas... Não sabem nada de nada da minha vida...

Vivo com tantas pessoas aqui à minha volta... E então? Nem uma a quem possa chamar de amiga tenho aqui... Cá estou, comigo mesma, e assim me habituei a estar cinco dias por semana. Para lá de independente, mas sozinha... Pensei que já não fosse passar tanto tempo aqui ou que tivesse uma companhia, a que queria... Mas que não tenho...

 

É tão diferente viver com amigos, com um amigo que seja...

Ao invés de partilhar a vida com estranhos...

 

 

Onde estás?!


comentar
escrito por Dreamer, em 17.10.09 às 10:15link do post | favorito

Por vezes o sorriso torna-se fechado.

Por vezes o medo apodera-se da razão.

Por vezes as palavras tornam-se vagas.

Por vezes o coração fica como que apertado.

Por vezes a mente trai aquilo em que se acredita.

Por vezes os olhos transbordam de insegurança...

 

Por vezes...

...mas eu confio e acredito.


comentar
escrito por Dreamer, em 07.10.09 às 22:56link do post | favorito

"Tem calma... Os erros servem para aprender. E para perceber porque os cometemos... E quando conseguirmos perceber porque erramos, então podemos corrigir. Mas sozinha não consegues... acredita que não. Pede ajuda! ...ou então a tua vida será um martírio. Explica-lhes como ficas... explica-lhes como a tua vida dá um trambolhão de cada vez que sabes que erras... se eles perceberem e te ajudarem, vais conseguir!"

 

Pois é, hoje foi mais um dia de consulta de Nutrição. Poderia ter mentido, poderia ter dito que me "portei bem". Afinal está tudo na mesma desde a última vez, continuo nos 23kg perdidos. No entanto, não o fiz! Não menti nem disse que me portei bem. A verdade é que engordei 6kg durante o Verão, sim, só agora o consigo admitir claramente, sem meias palavras... Mas a outra verdade é que também já os consegui perder em menos de um mês. E porquê? Porque voltei à minha vida de caracol, sempre com a casa às costas. Aqui, longe, e rodeada de mim mesma e só do que posso comer, é tudo tão mais simples... Era bom que lá, rodeada de quem me deveria compreender e ajudar (e de alguns alimentos que só devo olhar) fosse tudo assim facilitado. Mas não é. Mas tem de passar a ser. Mas não é. Mas vai ser!

 

Porque é que continuo a não conseguir evitar chorar enquanto ouço o meu médico? Porquê? Ele sabe bem demais o que eu sinto... E percebe bem demais... Mexe muito cá dentro...

Dias de lágrimas, têm sido estes...

Mas deixando lamechices de parte, tenho um objectivo: chegar aos 30kg perdidos até Janeiro (mês em que será a próxima consulta e em que fará três anos desde o início desta batalha)!

 

Ajudam-me?! ;)

 


Pensei que a distância fosse um problema... Agora que estou perto, entendo que o problema é o estar longe mesmo estando perto...

 


comentar
escrito por Dreamer, em 03.10.09 às 17:57link do post | favorito

 

Andando, cantando
Tenho o sol à minha frente
Tão quente, brilhante
Sinto fogo à flor-da-pele
Tão quente
Beijando como se fosses tu

Ao longe, distante
Fica o mar no horizonte
É nele por certo
Onde a tua alma se esconde
Carente, esperando
Esse mar es tu

Pode a noite ter outra cor
Pode o vento ser mais frio

Pode a lua subir no céu
Eu já vou descendo o rio

Na voz, revolta

Fecho os olhos, penso em ti

Tão perto, que desperto

Há uma alma à minha frente
Tão quente
Beijando, por certo que és tu


Pode a lua subir no céu
E as nuvens a noite toldar
Pode o escuro ser como breu
Acabei por te encontrar

Vou andando, cantando

Tive o sol à minha frente

Tão quente

Brilhando

E a saudade me deixou
Para sempre
Por certo

O meu amor és tu...

 


comentar
escrito por Dreamer, em 26.09.09 às 20:42link do post | favorito

Tenho perfeita noção de que não posso ser um outro alguém, que não eu mesma.

 

Não posso, não quero, mas também não consigo.

Não posso querer sentir como se já tivesse sentido.

Não posso querer  viver como se já tivesse vivido.

Não consigo fazer com que as recordações se apaguem.

O passado passou, mas existiu.

Compreendo que hajam memórias para sempre...

Não posso fazer "delete" a tanta coisa partilhada e vivida de forma tão intensa...

No entanto, cá estarei para viver à minha maneira, à nossa...

 

 

Tenho perfeita noção de que não posso substituir ninguém.

 

Não posso, não quero e também não consigo.

As pessoas não são substituíveis.

Sou como sou: única. Como todos os outros o são.

Sou eu mesma, o que me pediste...

 


comentar
escrito por Dreamer, em 19.09.09 às 12:21link do post | favorito

Você é assim
Um sonho pra mim
E quando eu não te vejo
Eu penso em você
Desde o amanhecer
Até quando eu me deito...

 

Eu gosto de você
E gosto de ficar com você
Meu riso é tão feliz contigo
O meu melhor amigo
É o meu amor...

 

(...)

 

Tribalistas - "Velha Infância"

 

 

 

Dói não te ter aqui... Dói sentir a tua falta... Dói o silêncio da tua ausência...

 

 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 11.09.09 às 19:35link do post | favorito

O mal está feito. Os erros cometidos. O arrependimento presente.

As consequências estão à vista (de quem quiser perceber).

Eu percebi e fui tendo consciência... "é só hoje", mas houveram tantos "hojes".

Não é possível voltar atrás. Não é possível alterar o que passou.

Não vale a pena lamentar-me. Não vale a pena fazer-me de vítima.

Passado é passado e não há como mudá-lo.

Resta-me voltar a remar contra a maré!

Com toda a persistência e determinação que me for possível, mais uma vez...


comentar
escrito por Dreamer, em 09.09.09 às 21:27link do post | favorito

Hoje seria um dia importante, um dia pelo qual esperei e cansei de esperar. Depois do serviço de saúde pública me ignorar, decidi, finalmente, deixar esvair-se entre os dedos um molhinho de notas para ter uma consulta com um endocrinologista numa clínica privada. Pouco mais de cinco minutos bastaram para responder a umas quantas perguntas, para me apertar, literalmente, o pescoço e para me passar uma série de exames que não poderão ser feitos de imediato, mas apenas quando o meu fantástico relógio biológico se lembrar de me dar o prazer de os poder realizar. Conclusão: tudo na mesma sabe-se lá por quanto tempo e carteira bem mais vazia. Pelo menos tentei...

 

Outra coisa, é tão triste ver alguém que nos é tão próximo ser a primeira pessoa a criticar-nos quando não estamos a conseguir o que queremos, sem nunca (ou quase nunca) ter elogiado quando fomos conseguindo. É triste não ver a compreensão dessas pessoas, que deveriam ser as que mais poderiam ajudar, ao invés de serem as que mais dificultam. No entanto, talvez tenha sido um bom "abre olhos". As verdades custam ser ouvidas sendo ditas por outras pessoas, mesmo quando nós próprios temos a perfeita noção dessa realidade, querendo fingir que não a vimos ou esquecer que ela, de facto, existe.

 

Foi um dia assim, que me deixou decepcionada. Contudo, foi bom o regresso à faculdade, rever alguns amigos e bons colegas. O último ano de licenciatura chegou. Vamos a ele.


comentar
escrito por Dreamer, em 06.09.09 às 18:41link do post | favorito

Nada melhor que passar uma tarde a nadar para aliviar um pouco a vontade de bater em alguém. Porque é que há gente que se mete e intromete na vida dos outros e faz questão de dar sugestões? Não há nada mais interessante para fazer?

Detesto quando se metem na minha vida sem saberem de nada e sem terem nada a ver com ela. E mais, que o façam junto de outras pessoas em vez de o fazerem perante mim mesma, directamente. Porque será, não é? Intrometidos de uma figa. Só tenho uma coisa a dizer: quando apontamos um dedo a alguém, estão três a apontar para nós!

 

 

"Vozes de burro não chegam ao céu."


comentar
escrito por Dreamer, em 21.08.09 às 14:21link do post | favorito

Tenho acordado assim, revoltada comigo mesma.

Porque é que é tão difícil emagrecer e tão fácil engordar? Porquê?

Apetece-me gritaaaaaaaaaaar.

E ninguém me percebe. Só eu mesma.

Dizem que estou estranha, talvez. Tenho desmoralizado, cumpro o que tenho a cumprir, não como tanta coisa que gosto e é isto, não passo disto. Não passo disto que sou!

 

Não me sentia assim há muito tempo, são dias, são momentos.

Sei que vai passar, é o que vale...

 

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaarrrrrrrrrrrgggggggggggggggggggggghhhhhhhhhhhhhh!!! 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 19.08.09 às 20:00link do post | favorito

"Acho que estou ao teu lado." E estava mesmo. Depois de umas quantas lojas desarrumadas e da tal prenda comprada, inicia-se uma conversa de horas ao longo do rio. Já de regresso, chega a hora da primeira experiência rodoviária e do serviço de guia até caminhos pseudo-desconhecidos. Estupidamente liga-se o alarme e depois segue-se até à terra das rotundas. Jantar vindo do oriente e mais dois dedos de conversa acompanhados de café.

Passaram os dias, vários kms percorridos e surpresas feitas. Meia-noite mais que diferente e especial. Estranheza e medo depois.

Jantar para recordar com todas as pessoas que são importantes. Música não grande coisa, mas bom ambiente e companhia melhor que tudo. Amanhecer único. 

Uma vista bonita. Um sim com chuva como ambiente de fundo.

Concertos. Uma música e um momento especial.

Uma festa branca tingida de negro e uma directa. Um pequeno-almoço caricato e um dia solarengo na praia para repor o sono (de alguns).

Um passeio de queimar, uma garrafa de água e um jardim. Uma despedida. Soube a pouco.

 

Um olhar. Um sorriso. Uma calma. Um tudo. 

Assim é. Assim fazes ser...

 


comentar
escrito por Dreamer, em 10.08.09 às 13:41link do post | favorito

Precisamente há um ano iniciei este blog. O que começou por ser um espaço para escrever sobre o que mais me atormentava na altura, a obesidade, passou a ser também um espaço para desabafar sobre tantas outras coisas que foram surgindo na minha vida. Hoje considero-o como uma caixinha onde guardo sentimentos nas mais diversas situações e que poderei recordar sempre que quiser. Fui juntando o útil - por conseguir expressar o que sinto, ainda que, por vezes, não totalmente - ao agradável - por poder escrever sempre que me apetecer, mesmo que possa não fazer sentido.

Através deste meu cantinho, deste "meu pequeno espaço" conheci algumas pessoas especiais e uma pessoa em especial. Aos que conheci e passam pela mesma situação que eu, ou que, mesmo não passando, deixam palavras de força, muito agradeço. Obrigada por aqui passaram e por se lembrarem de mim. Mas em tudo na vida costuma haver o outro lado da moeda, e até num simples blog o consigo encontrar. Certos comentários me deixaram ficar, momentaneamente, triste por ver a cobardia de quem os deixava, fazendo-se passar por outras pessoas ou não tendo coragem para admitir quem são na verdade. Enfim, "são opções de vida", não é?

Comparando as circunstâncias de há um ano atrás, consigo observar algumas semelhanças... Nessa altura nem sempre cumpria o que tinha de cumprir e resultados, como seria de esperar, nem vê-los. Agora também tem sido assim, resultados nada, ou melhor, cada vez mais lentos...  mas a paciência é uma virtude e a persistência também, não posso esquecer isso.  A diferença é que no ano passado sentia-me sem ninguém, como se ninguém se preocupasse comigo e isso foi mudando muito ao longo deste ano.

Uma evolução de um ano para o outro: até ao ano passado só achava conseguir estar na praia com família e não me sentia bem se lá encontrasse alguém que eu conhecesse. Era como um bicho e queria esconder-me dentro de uma carapaça. Este ano comprovei que isso mudou e sou capaz de estar na praia com amigos. Parecendo que não, foi um passo largo para mim, não é que agora esteja mais "capaz" de aparecer em público na praia, mas na minha cabeça consegui mudar alguma coisinha, por mínima que possa ser.

No entanto, apesar de continuar obesa, de ter de carregar com isso a cada dia, tenho pilares em que me apoio. E os pilares são o suporte da casa, o meu suporte. Espero não desiludir todos os pilares que acreditam em mim, que acreditam que eu sou capaz. Eu também acredito em mim, ou vou tentando fazer por isso cada vez mais.

 

"Ando devagar, mas nunca para trás."

(Abraham Lincoln)


comentar
escrito por Dreamer, em 31.07.09 às 15:58link do post | favorito

 

 

És como um sonho... És como um anjo... 

 


comentar
escrito por Dreamer, em 28.07.09 às 20:42link do post | favorito

Plano de Refeições

 

Pequeno-almoço:

Leite simples ou iogurte magro de aroma ou chá

+ 1 tosta normal simples ou 1/4 de paposseco simples

 

Meio da manhã:

1 sandes em paposseco com fiambre da perna de preferência

+ chá ou iogurte magro de aroma

Ou 1 fruta pequena + 1 tosta ou 1/4 de paposseco simples

 

Almoço:

Sopa de legumes normal

+ carne ou peixe com saladas ou legumes verdes cozidos

SEM fruta, SEM pão, SEM enchidos, SEM fritos

 

Lanche:

Idêntico ao pequeno-almoço ou ao meio da manhã

 

Jantar:

Igual ao almoço

Ou sopa + 1 fruta

Ou carne/peixe com saladas/legumes verdes + 1/2 paposseco

 

Ceia:

Leite simples ou iogurte magro de aroma (se sentir necessidade)

 

Este é o plano de refeições que tenho vindo a cumprir, às vezes melhor, outras vezes pior, desde 2007. Decidi colocá-lo aqui não sei bem porquê, mas apeteceu-me.

Hoje vi um programa em que se falava de obesidade e, para variar, não contive as lágrimas. Ainda não sou capaz de deixar de chorar e de me emocionar com histórias de pessoas que sentem o mesmo que eu e que relatam situações pelas quais fui passando ao longo dos anos e que não são fáceis de esquecer. Ou melhor, de resolver. Talvez não as tenha bem resolvidas dentro de mim... Caso contrário, porque ainda choro?!

 

Tenho de controlar  todos os impulsos. Eu consigo!

Enfim, é hora de ir comer uma sopinha e fruta.

 

"Há sempre uma maneira de recomeçar..."


comentar
escrito por Dreamer, em 22.07.09 às 21:51link do post | favorito

 

 

Escolhi viver... viver um sonho.


comentar
escrito por Dreamer, em 17.07.09 às 11:36link do post | favorito

Duas décadas.

Vida com momentos vividos e outros de, apenas, pseudo-viver.

Talvez venha a ser o ano da verdadeira mudança. Só o tempo o dirá.

 

Parabéns para mim!

Eu valho o esforço.


comentar
escrito por Dreamer, em 13.07.09 às 20:43link do post | favorito

Não sei muitas coisas.

Não sei o que vai acontecer.

Não sei como será o amanhã.

 

Só sei que apareceu um anjo na minha vida...

Obrigada.


comentar
escrito por Dreamer, em 10.07.09 às 02:36link do post | favorito

O medo é algo que nos amarra como um verdadeiro colete de forças.

Somos amarrados a nós próprios, à nossa vida, aos que nos rodeiam, ao Mundo.

 

 

Com medo não conseguimos viver em plenitude.

Temos medo de, apenas, existir.

 

Com medo não conseguimos sentir.

Temos medo de sofrer.

 

Com medo não conseguimos ter alguém.

Temos medo de fazer sofrer.

 

Com medo não conseguimos arriscar.

Temos medo de falhar.

 

Com medo não conseguimos ser felizes.

Temos medo de... quase tudo.

 

 

Queria não ter medo.

 


comentar
escrito por Dreamer, em 02.07.09 às 21:33link do post | favorito

Após semanas de intenso trabalho e estudo, eis que chega ao fim mais um ano lectivo. Segundo ano de faculdade prontinho. Ansiosa por um pouco de descanso, fui surpreendida por um início de férias algo atribulado. Viajei pelos altos e baixos da montanha-russa que é a vida. No entanto, já estou tão calejada, que as coisas já não me atingem com a intensidade com que deveriam.

Passado isto, tenho percebido que estou a conseguir limpar a minha mente... Há momentos, muitos até, em que dou com ela "vazia", sem pensar nisto ou naquilo, simplesmente lá, quietinha, a viver cada segundo sem pensar no próximo.

Passei anos a fio a moer e remoer pensamentos que só deitam abaixo a minha vida. Para quê perder tempo com isso? Adianta alguma coisa? Por isso, decidi, involuntariamente, dar férias a esses pensamentos... Consegui fazê-lo, assim, do nada.

Com umas férias mais que merecidas pela frente, tudo o que mais quero é viver, descobrir mundos, vidas e pessoas. E pensar... em tudo e em coisa nenhuma. No dia-a-dia apenas, no momento, naquele segundo. O tal que pode mudar vidas.


comentar
escrito por Dreamer, em 12.06.09 às 01:36link do post | favorito

Um descalabro! É o melhor adjectivo que encontro para descrever o que tenho sido para mim mesma nos últimos tempos... Posso até dar desculpas de falta de tempo, falta de alternativas... Mas o que me falta é admitir que não tenho força suficiente. Isso mesmo, não tenho a força que preciso, pelo menos em alguns momentos. E eu deveria tê-la sempre... Mas que é a vida senão um recheio de avanços e recuos?! Sou humana: cometo erros, arrependo-me e tento corrigir. Espero que os próximos tempos me ajudem a continuar... E a perceber... Não quero dar tanto em troca de nada...


comentar
escrito por Dreamer, em 23.05.09 às 18:58link do post | favorito

O nosso coração, uma casa. Uma verdadeira casa, com portas e janelas, com diferentes divisões... É um local onde temos todo o gosto em receber pessoas de forma acolhedora. Pessoas que pela nossa vida passam.

Há corações diferentes, uns maiores que outros, tal como as casas. Há quem tenha no seu coração uma espécie de despensa, onde estão arrumadas nas prateleiras as pessoas que, de quando em vez, decidem usar. Há também as que têm uma arrecadação onde guardam as pessoas importantes do passado ou aquelas que passaram pelas suas vidas e deixaram o seu contributo de alguma forma. Caso seja possível, um dia, essa arrecadação poderá ser aberta para recordar ou completar o que ficou vivido a meio.

Depois temos também espaço para quem nos protege e nos ajuda a suportar as dificuldades da vida "lá fora", como se de um telhado se tratasse. Temos, por exemplo, um jardim ou uma sala de estar onde estão aqueles com quem nos divertimos e sentimos bem. As janelas, onde encontramos a luz e novas formas de encarar situações... porque há pessoas que se tornam a luz dos nossos dias.

No entanto, tal como todas as casas, o coração, por vezes, precisa de ser limpo, precisa de arejar. Pena que as janelas teimem em não se deixar abrir e as portas estejam tão bem trancadas que se torna díficil abri-las para deixar sair quem já só prejudica o estado da nossa casa. E lá está, quando não se encontra a chave para abrir essa porta, então teremos de recorrer à arrecadação para deixarmos o que queremos longe da vista, mas que permanecerá sempre em casa, no coração...

 


"And sometimes I get nervous, when I see an open door... Close your eyes, clear your heart..."

 


comentar
escrito por Dreamer, em 01.05.09 às 17:51link do post | favorito

Ontem percebi o verdadeiro significado de vestir traje académico... Com orgulho universitário a correr pelas veias e poder sentir que cada um daqueles estudantes faz questão de não deixar morrer o espírito académico naquela cidade, a cidade dos estudantes.

Apreciem o que por lá se vive e sente. Fica para recordar.

 

 

Sentes que um tempo acabou,
Primavera de flores adormecida.
Qualquer coisa que não volta que voou,
Que foi um rio, um ar na tua vida.
E levas em ti guardado
O choro de uma balada,
Recordações de um passado,
O bater da velha cabra.
Capas negras de saudade,
No momento da partida.
Segredos desta cidade
Levo comigo para a vida.
Sabes que o desenho do adeus
É fogo que nos queima devagar
E, no lento cerrar dos olhos teus,
Fica a esperança de um dia aqui voltar...

 

(Pena não terem tocado esta, apesar de outras igualmente bonitas.)


"Coimbra tem mais encanto na hora da despedida..."

 


comentar
escrito por Dreamer, em 12.04.09 às 00:15link do post | favorito

 

 

 

Porque, na minha opinião, este é um anúncio que merece ser visto...

"Estás aqui para ser feliz!"


comentar
escrito por Dreamer, em 04.04.09 às 03:00link do post | favorito

Conheceram-se no dia 25 de Dezembro de 2004. Sim, no dia de Natal. Na tarde desse dia em que, para variar, passavam filmes de animação ou filmes relacionados com a época. Nesse preciso momento estava a dar o Shrek, na SIC. Ela lembra-se como se fosse hoje.

Unidos por fragilidades que nesse dia os fez estar, especialmente, vulneráveis, começaram a descobrir a vida um do outro. Os tempos foram passando e construíram uma bonita amizade. Ajudavam-se mutuamente. Partilhavam vitórias e derrotas, momentos de alegria e raiva. Pedaços de vida. Quando um precisava, lá estaria o outro. Sempre.

A palavra certa no momento oportuno. O "dar na cabeça" quando necessário. Os conselhos indispensáveis.

Passaram anos e, com as mudanças de vida que ambos viveram, não se conseguia manter o mesmo contacto que antes. Mas a preocupação e o carinho mantiveram-se e a amizade persistiu. Porque a verdadeira amizade é forte demais.

 

E é assim que vejo a nossa amizade. Importante demais para mim. Forte demais para ser descartada desta forma...

Se fui injusta, não foi com intenção de te magoar. Se errei, desculpa...

Preciso de ti como sempre precisei.

                    


"Sorri mesmo que o teu sorriso seja triste, porque mais triste que um sorriso triste é a tristeza de não saber sorrir." S.M.

Foste tu que mo disseste pela primeira vez. Não mais esqueci esta frase.

Obrigada por tudo...

 

sinto-me: para lá de triste ;(
música: Por quem não esqueci - Xutos & Pontapés

comentar
escrito por Dreamer, em 22.03.09 às 18:31link do post | favorito

Tenho observado várias vidas. Vidas de quem me rodeia. Vidas de pessoas que me são queridas.

Tenho-me apercebido que, cada um à sua maneira, tem os seus problemas, os seus dilemas, as suas decepções, as suas inseguranças e os seus pontos fracos.

Tenho tomado consciência que as vidas parecem andar voltadas do avesso, num avassalador conjunto de confusões, indecisões, medos e angústias.

Vou assistindo, atenta e impotentemente, a cada desenrolar de capítulos nos livros de vida delas. Enquanto assisto, vou eu própria escrevendo mais umas páginas do livro que é a minha vida. Tal como algumas dessas pessoas que me rodeiam, também decidi recomeçar e tentar dar a volta por cima. É no que me tenho concentrado nestas últimas semanas. E parece estar a resultar...

Como se costuma dizer, "a Primavera é sempre a mesma, as flores é que vão mudando". Que consigamos sempre fazer com que as nossas flores renasçam, que consigamos sempre recomeçar um caminho, mesmo que, por vezes, nos percamos por atalhos. Porque os atalhos da vida podem tornar-se bem longos. E porque a Primavera da vida chega quando nos sentimos aptos para renascer, para recomeçar...

 

 

Já é Primavera por aqui!

 


Obrigada pelo "Olá!" e pelo sorriso. Foi um prazer :)

 

música: Ficar Mais Perto - Mafalda Veiga

comentar
escrito por Dreamer, em 09.03.09 às 17:52link do post | favorito

Tenho vontade de me fechar num sítio escuro. Apenas eu e os meus pensamentos.

Reflectir sobre o que tenho feito a mim mesma. Reflectir sobre a importância prioritária que tenho dado a determinados assuntos. Assuntos esses que não valem a pena. E hoje percebi isso mesmo.

Fui a mais uma consulta e pouco mudou desde a última vez: mantive o peso. Graças a quem? A mim e à minha fantástica estupidez. Já sabia que isso deveria acontecer, hoje foi só a confirmação.

Agora tenho novos objectivos: centrar-me de uma vez por todas só em mim e no que quero.... abstrair-me do que me tem consumindo por dentro e seguir com a minha luta.

Vou procurar a força que perdi... Desta vez dentro de mim, mas não dispensando a ajuda de quem me rodeia.

 

Não deixei de lutar, só perdi a força.

Não deixei de sorrir, só deixei de ter esperança.

Não deixei de sonhar, só deixei de ser sonhadora.

 


"Se fores capaz de pedir a ajuda que precisas, a tua vida será muito mais simples... Acredita." Conselho de médico.

 


comentar
escrito por Dreamer, em 05.03.09 às 00:02link do post | favorito

Apetece-me escrever.

Hoje e agora. Só porque sim. Só porque sei que, apesar de nada mudar, vou ficar aliviada.

 

Apetece-me escrever porque custa-me falar. Custa-me ouvir a minha voz dizer a alguém coisas que não queria ouvir.

Apetece-me escrever porque tudo o que pensava que sabia alterou-se. Percebi que não sei nem metade do que julgava.

Apetece-me escrever porque as pessoas têm sempre a capacidade de nos surpreender.

Apetece-me escrever porque quero esquecer e seguir em frente.

Apetece-me escrever para ver o resultado do que estou a sentir neste momento.

 

Apetece-me escrever porque gosto. E porque aqui posso juntar o útil ao agradável...

 

 


"Faz da tua ausência o bastante para que alguém sinta a tua falta, mas não a prolongues demais para que esse alguém não aprenda a viver sem ti..."
 
 
música: The Scientist - Coldplay

comentar
escrito por Dreamer, em 24.02.09 às 22:25link do post | favorito

Tenho vontade de gritar.

De respirar fundo e libertar de vez o aperto que sinto.

Respirei profundamente, mas de nada adiantou.

 

Estou cansada.

Cansada de querer e não poder.  

Cansada de lutar e pouco mudar. 

Cansada de sonhar e não conseguir.

 

É Carnaval: tempo de máscaras.

Vou mascarar o coração... para sempre.

 

sinto-me: sufocada
música: Secretamente - Rita Guerra

comentar
escrito por Dreamer, em 16.02.09 às 19:32link do post | favorito

Abri a janela da minha alma e viajei... Viajei pelos meus sonhos.

Construí ilusões e finais felizes. Vivi em dias de céu azul e de flores coloridas. Ouvi o mar e vi as estrelas. 

Tive a compreensão que tanto precisava. O teu ombro sempre a meu lado. Lado a lado. Percorremos lutas diferentes com a mesma força. Eras o que tinha de melhor em cada dia que passava. E os dias foram passando... chegou a hora de regressar.

Cheguei e voltei a fechar a janela.

 

Foi um sonho? Se tivesse sido seria tudo diferente, não passava disso mesmo: um simples sonho no qual me tinha perdido. No entanto, perdi-me. Perdi-me pelo sentimento, perdi-me pela vontade de tentar, perdi-me por ti.

Agora vou regressar de vez, mais sozinha. Sem o teu eu. Mas com a falta que me fazes, com as recordações.

 

Se ao menos tivesse um pouco mais de coragem... Se ao menos pudesse dizer-to...

tags: ,
música: Imortais - Mafalda Veiga

comentar
escrito por Dreamer, em 02.02.09 às 23:13link do post | favorito

É tão díficil evitar quando se quer demonstrar.

 

Travar a velocidade das palavras quando as emoções aceleram.

Controlar os gestos quando o coração se quer libertar.

Calar a voz quando segredar seria o ideal.

Fingir-se indiferente quando só se quer ser expansivo.

Fechar os olhos quando estes deviam ver a esperança.

Manter-se constante quando só se quer não parar de lutar.

Desistir quando sentir não passa só por nós.

Parar quando só se quer viver... um pouco mais.

 

É tão difícil quando um sentimento toma proporções inesperadas.

 

 


Afinal este dia não foi o que tinha esperado que fosse. Tudo vai continuar igual e em aberto. Sindrome dos Ovários Poliquísticos: sim ou não? Eis a questão. Talvez daqui a uns meses saiba a resposta.

música: Clã - Problema de Expressão

comentar
escrito por Dreamer, em 29.01.09 às 01:15link do post | favorito

Dois caminhos. Uma escolha.

Dois desafios. Uma vontade.

Dois anos. Uma batalha.

 

Foi precisamente neste dia que decidi começar uma nova vida.

Dois anos passaram e, hoje, com 20kg a menos e com uma vida completamente diferente da que tinha na altura, posso afirmar com convicção de que o que perdi não foi apenas peso. Inseguranças. Medos. Incertezas. Melancolia. Um conjunto de coisas que me pareciam intrínsecas foram deixando de o ser com o passar do tempo.

Agora, no dia 2-2-2009, talvez algumas coisas possam ser explicadas...

 

Dois anos. Um sonho. Uma necessidade. Uma prioridade. EU.

sinto-me: nostálgica

comentar
escrito por Dreamer, em 27.01.09 às 03:03link do post | favorito

 

 

Sou terra e fogo...

Sou ar e água...

Hoje ergo o cálice da liberdade...

E saúdo os guardiões da sabedoria...

 

Olho o horizonte e sigo...

Levo comigo toda a esperança...

E as memórias do passado...

 

O meu grito é livre...

E ecoa no ar...

E de pés descalços...

Eu bailo sozinha...

 

Contemplando a minha...

Livre esperança...

 

 

 

 

Porque hoje pouco mais me resta do que  esperança. Muita esperança. Anseio saber o porquê do que ainda não sei, mas do que sempre quis saber. Mais uma batalha?! Talvez. 

sinto-me: esperançosa :)

comentar
escrito por Dreamer, em 21.01.09 às 14:20link do post | favorito

Como o prometido é devido, as obras aqui no meu cantinho já começaram. Não estão a ser tão personalizadas como gostaria, mas...

 

Se repararem, as cores vão mudando consoante a hora do dia e a posição do Sol. 

 

Fico à espera de opiniões e sugestões.

 


"Não te esqueças: atrás das nuvens existe sempre o Sol."


comentar
escrito por Dreamer, em 15.01.09 às 18:29link do post | favorito

Num mundo que se rege cada vez mais por uma vontade de uniformizar o que quer que seja, confrontamo-nos com inúmeras diferenças. Mas... diferença de quê? Porquê diferença? Por acaso há que ser igual a alguém ou a alguma coisa?!

Cada um de nós é um ser único e as "diferenças" não tem de ser encaradas da forma pejorativa como são. Afinal ser diferente é ser especial.

Então qual o porquê dos preconceitos? Preconceitos são isso mesmo: pré-conceitos. Algo em que se acredita só porque sim sem qualquer tipo de fundamento.

Partindo deste princípio, os preconceitos até não incomodam ninguém... No entanto, quase sempre, estes conceitos pré-definidos transformam-se em gestos e acções com vista a atingir os alvos desse mesmo preconceito. Nesta situação, um olhar mais duro, uma simples palavra, um riso sarcástico ou um gesto menos simpático são capazes de magoar os ditos "alvos",  deixando marcas difíceis de apagar proporcionais à regularidade com que esses actos acontecem. E isso é triste. Tenho pena de quem o faz pelo simples prazer de fazer alguém sentir-se inferior. Mas lá está, ninguém tem de se sentir inferior, apesar de se sentir... E vive-se assim neste ciclo, em que nada muda. Talvez um dia...

 

Ninguém é "diferente" por querer... Somos altos baixos, gordos magros, brancos amarelos pretos e todas as cores do arco-íris, clássicos modernos... Não importa! Somos bons porque somos especiais, somos especiais porque somos "diferentes".

 

"Be different, be special."

 


E pronto, leitora nº1 aqui tem

Aos que por aqui passam, quando a fase de exames acabar, vou andar em obras por  cá. Por isso não se assustem da próxima vez que aqui vierem. Mas até lá, queimar pestanas que também é preciso...


comentar
escrito por Dreamer, em 02.01.09 às 20:00link do post | favorito

Um novo ano começou... Mas nem por isso uma vida nova.

Os problemas e as alegrias são os mesmos, as dúvidas também. Cada vez mais chego a uma conclusão: quanto mais certezas tenho, mais dúvidas gostaria de ter. Às vezes as dúvidas são dolorosas, outras atenuam uma verdade que talvez não devesse existir. No entanto, a verdade ninguém pode controlar. E eu prefiro viver com uma verdade incontrolável e com uma dúvida atenuante que numa caixa de vidro fechada de emoções.

Vale sempre a pena, mesmo que tudo permaneça como está, mesmo que nada seja percebido, nem compreendido. Mas que é a vida senão uma incompreensão a ser vivida? Porque há coisas que não se explicam...

música: Tão perto, tão longe - Hands on Approach

comentar
escrito por Dreamer, em 28.12.08 às 04:03link do post | favorito

      

Janeiro - Junho

Aprendi como cometer erros pode destruir o que se tinha alcançado com tanto esforço

Aprendi uma grande lição de vida

Fui ingénua

Percebi que a coragem não é abundante em algumas situações

Tornei-me mais independente

Senti-me sozinha muitas vezes

Dei valor a novas pessoas

E fui valorizada também

 

Julho

Aprendi como um dia especial pode ser tornado um dos mais infelizes

Como a indiferença me afecta tanto

Cheguei a baixar as armas

Rendi-me

Mas retomei a guerra

Reaprendi a viver

Conheci pessoas novas

Lugares novos

 

Agosto

Vivi

Sorri

Fui feliz

Fui ferida

Mas também fui apoiada

E voltei a ser feliz

Ah, e aprendi inglês ;)

 

Setembro

Fui surpreendida

Aprendi que sou útil a alguém

Senti-me em paz

Senti saudades

Aprendi que já era tarde demais para desistir

Apercebi-me de que não sou uma carta do baralho

 

Outubro

Mudei de vida

E a vida fez-me mudar de novo

Sofri

Senti-me impotente

Vivi pesadelos acordada

Suportei com todo o apoio que me deram

 

Novembro

Fiquei mais pobre

E o céu enriquecido

Senti no coração o verdadeiro significado da palavra ajuda

Da palavra amizade

 

Dezembro

Irritei-me

Enfrentei

Precisei de quem não tive

Tive saudades

Ultrapassei

Passei a acreditar ainda mais que é possível

 

Foi um ano cheio de coisas boas e más, de descobertas e de redescobertas, mas acima de tudo foi um ano de aprendizagens, dos mais enriquecedores que tive enquanto pessoa. Aprendi, além de tudo mais, que há tempo para tudo e que nada acontece por acaso. Obrigada a quem me ensinou.

E aos que fizeram parte de todos os pequenos momentos por que passei este ano, que deram o seu contributo para enriquecer a minha vida, desejo para 2009 tudo o que de bom tiveram e o que não tiveram, mas gostariam de ter.

 


E para os que ainda duvidam: SIM! É possível mudar. Basta começar por acreditar. Se precisam de uma data para começar a fazê-lo, porque não o Ano Novo? É sempre uma boa época para traçar objectivos, definir desejos e começar a lutar pelos sonhos.

 

 

música: That's What Friends Are For

comentar
escrito por Dreamer, em 22.12.08 às 17:46link do post | favorito

Mais um dia de ansiedade chegou até mim. Pois é, mais uma ida à consulta de Nutrição. (A propósito, as consultas desta especialidade deixaram de ter taxa moderadora devido ao elevado número de obesos no nosso país.)

E passados quase dois anos, posso finalmente gritar a bons pulmões que 20kg já lá vão. Sim, 20kg!!! Até custa a crer... Tem sido um processo tão lento que nem vou dando conta da perda dos meus companheiros. E destes companheiros não vou sentir saudades, quero vê-los a todos os que estão a mais pelas costas :)

Não estou de dieta, adoptei um novo estilo de vida que vai ter de me acompanhar para sempre. Sim, porque a obesidade não se cura com dietas, mas com mudanças no dia-a-dia, com força de vontade, com coragem, com persistência e determinação. E segundo o meu médico, já provei ter essas características. Não basta traçar os objectivos, nem sonhar, isso é apenas o início de uma longa caminhada a percorrer. E é este caminho que eu tenho de continuar a seguir, manter-me a lutar. Hoje, amanhã, sempre e para sempre.

A pedido do meu médico, aqui fica o agradecimento aos amigos, conhecidos e desconhecidos que me têm apoiado. Segundo ele eu devo agradecer-vos para saberem o quanto isso é importante para mim. E é mesmo. E eu agradeço e tenho sempre agradecido. E porque nunca é demais, uma vez mais, muito obrigada ;)

 

"I can´t live without you..."


A todos que por  aqui passam desejo um Feliz Natal e... cuidado com os doces, mas comam-nos por mim.

sinto-me: a modos que contente :)
música: Dr1ve feat. Lúcia Moniz - Wish

comentar
escrito por Dreamer, em 06.12.08 às 17:07link do post | favorito

A perfeição não existe, diz-se por aí... Concordo. No entanto, acredito que há muitas coisas perfeitas nesta vida. Amizades, momentos, gestos, palavras, significados.

Tenho saudades de alguns dias, não tão pouco recentes assim, em que tudo parecia perfeito.

Tenho saudades daquela amizade inexplicável que sentia a cada momento e dia que passava. Saudades daquele simples olhar ou sorriso que tanto transmitia. Da atenção, da cumplicidade. Saudades do ir arejar. De conversar até mais não sem ter de me preocupar com o que quer que fosse. De me sentir feliz e protegida. Saudades do abraço, do olá e do adeus, ou mesmo do até logo. Mas tudo tem um fim, ou um até à próxima...

E desde há uns tempos voltei a pertencer ao mundo real, do qual me tinha refugiado durante esses dias quase perfeitos. E essa perfeição... Não, não sei onde foi, só sei que partiu com a mesma velocidade com que chegou...

Talvez a perfeição não exista enquanto parte integrante das pessoas, mas enquanto característica dos momentos proporcionados por pessoas que nos fazem sentir felizes. Sim, a perfeição existe, mas é tímida. Deve ser por isso que às vezes se esconde, certo?! Pois...

 

música: When You're Gone - Avril Lavigne

comentar
escrito por Dreamer, em 22.11.08 às 10:53link do post | favorito

Há coisas que sempre fizeram e continuam a fazer confusão na minha cabeça... Coisas que me irritam de fininho lá no fundo...

Nem sempre é fácil conviver com pessoas interesseiras, que nunca te perguntaram como estás nem sequer se interessam por isso. O que apenas importa é que lhes sejas útil quando precisam, já que a responsabilidade e o trabalho são das coisas que menos têm em demasia.

E eu cansei-me. Cansei-me de ser boazinha para quem não merece e acima de tudo aprendi a dizer não. Cansei-me de, por vezes, nem um simples obrigado ouvir dizer.

Não mudei. Ajudar sempre foi e é do que mais me faz sentir bem, mas não me venham com histórias: ajudar um amigo, alguém que nos é querido, ou até mesmo um simples desconhecido, é muito diferente do que ajudar alguém que todos os dias por nós passa e nem um mero "Bom dia!" é ouvido. A consciência é dessas pessoas, a minha está tranquila. Só me faz confusão pensar como se consegue ter tanta lata... Há coisas que não compreendo, mas talvez não sejam para compreender.

 

Enfim, o Natal está a chegar. Férias à porta. Trabalho a acumular-se cada vez mais. Tempo a esvair-se com uma rapidez avassaladora. E quase sem dar por isso, já só falta exactamente um mês para a próxima consulta. Foi há cerca de um ano atrás que deitei à rua muito do que tinha conseguido, mas desta vez isso não pode nem vai acontecer. Dizem que se aprende com os erros, com esse decerto aprendi...

 


Bom, aproveito também para dizer que desde a última vez que aqui escrevi, em pleno desespero, admito, as coisas parece que acalmaram um pouco e, pelo menos hoje, posso dizer que estou bem :)

 

música: Little Respect - Silence 4

comentar
escrito por Dreamer, em 08.11.08 às 12:11link do post | favorito

Sem nada.

Sem alma.

Sem alegria.

Sem energia.

Sem existência.

Sem esperança.

Sem presença.

Sem reacção.

Sem sorriso.

Sem força.

Sem mim.

Sem vida.

Sem tudo.

 

Sem palavras.

sinto-me: sem o meu eu

comentar
escrito por Dreamer, em 27.10.08 às 23:27link do post | favorito

Estes últimos tempos têm parecido quase inacreditáveis. Houve momentos em que quis acreditar que estava a ter um pesadelo, mas na verdade não. Na verdade era cedo demais para estar a dormir, na verdade era real demais para ser só um pesadelo, na verdade era verdade.

E foi com algumas verdades bem complicadas que fui suportando estas semanas, que me senti impotente e inútil. Aconteceu tudo ao mesmo tempo, coisas demais para uma pessoa só. E estudar?! Quando? Onde? Porquê? Com que cabeça? Pois, de facto não é simples conseguir obter alguma concentração com as preocupações  a ocuparem todo o pensamento. Mas dei o melhor que pude...

Ontem comecei uma vida diferente. Há quem me chame de sortuda. Sim, agora estou numa residência universitária e a dois passos da faculdade. Pois. É isso. E então? Talvez essa seja a maior vantagem. Espero, com o tempo, vir a descobrir muitas mais. A desvantagem essa sei qual é. Mas vou ter de ultrapassá-la.

E a obesidade? No meio de tudo o que tem acontecido continuo a conviver com a minha companheira de quase sempre, a obesidade. E com menos vontade em muitos momentos, lá vou cumprindo o meu plano alimentar. Tem servido para ter real noção da doença. Houve momentos em que só me apeteceu comer coisas que não devo. Se comi? Algumas vezes sim. Foi mais forte que eu, reconheço. Tenho perfeita noção de que quando as minhas emoções estão a viver algures numa montanha-russa, os impulsos são bem mais fortes. Sim, é normal, eu sei, mas não devem ser mais fortes que eu. E não o são na maioria dos momentos, é o que vale ainda assim.

Bom, continuo a acreditar na frase que diz "No fim tudo acaba bem, se ainda não está tudo bem é porque ainda não chegou ao fim." Continuo a sonhar e a ser ingénua, mas penso que é bom acreditar nisto, mais que não seja para manter a esperança viva.

Tudo melhorará. E a vida continua... Longe ou perto, mas sempre amparada.

 


Agradeço a todos que têm dado um feedback deste blog. A todos aqueles que por aqui "picam o ponto" e se revêem no que escrevo por já terem passado ou por estarem a passar pelo mesmo. É sempre bom ler as palavras de quem nos compreende.

sinto-me: a adaptar-me...

comentar
escrito por Dreamer, em 11.10.08 às 01:24link do post | favorito

Chegou ao fim uma das semanas mais longas por que já passei. É impressionante como de um momento para o outro as coisas mudam sem esperarmos.

Podemos passar uma vida inteira a lutar para mudar algo que queremos e quando menos esperamos, algo que não fazemos questão que mude, acaba por mudar. Foi o que aconteceu. Agora que tudo parecia quase perfeito, tudo mudou outra vez.

Mais um abalo de emoções que não é fácil de transmitir... Estava eu feliz por ter entrado numa loja e ter percebido que já há roupa para mim sem ser nas ditas secções de "tamanhos grandes" (How's possible?!), quando recebo um telefonema que deitou abaixo essa felicidade e quase me virou a vida do avesso. E pronto, vou andar com a casa às costas mais uma vez este ano. Que seja a última.

Uma nova fase, mais uma. Porque as mudanças acontecem... Mas nada acontece por acaso, não é?! Vou ter saudades.

sinto-me: um caco, mas a conformar-me
música: Viva La Vida - Coldplay

comentar
escrito por Dreamer, em 28.09.08 às 14:36link do post | favorito

É desconfortável, senão mesmo triste, perceber que se é uma opção posta de parte... à partida. Melhor, que nem sequer se é uma opção.

Ser uma carta fora do baralho deste jogo que é a vida...

Há coisas que tão cedo não hão-de mudar.


comentar
escrito por Dreamer, em 22.09.08 às 23:59link do post | favorito

O dia da tão esperada ida ao médico chegou. E ao contrário da última consulta, em que quase tudo se parecia ter desmoronado, nesta fiquei a saber que valeu o esforço. Progredi. Dezoito quilos já lá vão e a próxima meta será perder mais dezoito. Cá estarei.

Pode nunca ser tarde demais para lutar, mas já é tarde demais para desistir. Não posso, não quero, nem vou desistir. Não vou deixar fugir o que tenho conseguido conquistar lentamente, com muito esforço e orgulho.

Fiquei feliz, para lá de feliz. Desta vez as lágrimas foram de felicidade. E é tão bom chorar de felicidade.

sinto-me: para lá de feliz ;)

comentar
escrito por Dreamer, em 13.09.08 às 17:37link do post | favorito
Não me resta nada, sinto não ter forças pra lutar,
É como morrer de sede no meio do mar e afogar,
Sinto-me isolado com tanta gente à minha volta,
Vocês não ouvem o grito da minha revolta.
Choro a rir, isto é mais forte do que pensei,
Por dentro sou um mendigo que aparenta ser um rei.
Não sei do que fujo, mas esperança pouca me resta,
É triste ser tão novo e já achar que a vida não presta,
As pernas tremem, o tempo passa, sinto o cansaço,
O vento sopra, ao espelho vejo o fracasso,
O dia amanhece, algo me diz pra ter cuidado,
Vagueio sem destino, nem sei se estou acordado.
O sorriso escasseia, hoje a triteza é raínha,
Não sei se a alma existe, mas sei que alguem feriu a minha.
Às vezes penso se algum dia serei feliz,
Enquanto oiço uma voz dentro de mim que me diz...

Mantém-te firme, 
quando pensares que não consegues lutar,
que o mundo vai acabar,
ouve a voz dentro de ti!
Mantém-te firme,
não te esqueças que podes sempre escolher,
ninguem te pode vencer,
usa a força dentro de ti!

Não há dia que não pergunte a Deus, porque é que nasci,
Eu não pedi, alguem me diga o que faço aqui,
Se dependesse de mim teria ficado onde estava,
Onde não pensava, não existia, não chorava,
Sou prisioneiro de mim próprio, o meu pior inimigo,
Às vezes penso que passo tempo demais comigo.
Olho pra os lados não vejo ninguem pra me ajudar,
Um ombro pra me apoiar, um sorriso pra me animar.
Quem sou eu? Pra onde vou? De onde vim?
Alguem me diga porque me sinto assim.
Sinto que a culpa é minha, mas não sei bem porquê,
Sinto lágrimas nos olhos mas, ninguem as vê.
Estou farto de mim, farto daquilo que sou, farto daquilo que penso.
Mostrem-me a saída deste abismo imenso.
Pergunto-me se algum dia serei feliz,
Enquanto oiço uma voz dentro de mim que me diz...

Mantém-te firme, 
quando pensares que não consegues lutar,
que o mundo vai acabar,
ouve a voz dentro de ti!
Mantém-te firme,
não te esqueças que podes sempre escolher,
ninguem te pode vencer,
usa a força dentro de ti!

Tento não me ir abaixo, mas não sou de ferro,
Quando penso que tudo vai passar, parece que mais me enterro,
Sinto uma nuvem cinzenta que me acompanha onde estiver,
E penso pra mim mesmo, será que Deus me quer?
A vida é uma grande merda, e depois a morte,
Cada um com a sua sina, cada um com a sua sorte.
Não peço muito, não peço mais do que tenho direito,
Olho pra trás e analiso tudo o que tenho feito.
E mesmo quando errei foi a tentar fazer bem,
Não sei o que é o ódio, não desejo mal a ninguém.
Há-de surgir um raio de luz no meio da porcaria,
Porque até um relógio parado está certo duas vezes por dia!
Vou aguentando, a esperança é a última a morrer,
Neste jogo incerto que o resultado não posso prever,
E quando penso em desistir por me sentir infeliz,
Oiço uma voz dentro de mim que me diz...

Mantém-te firme, 
quando pensares que não consegues lutar,
que o mundo vai acabar,
ouve a voz dentro de ti!
Mantém-te firme,
não te esqueças que podes sempre escolher,
ninguem te pode vencer,
usa a força dentro de ti!

Mantém-te firme (Boss AC)

É engraçado perceber que já me identifiquei muito com toda esta letra, mas hoje apenas tenho a lembrança de quando pensava assim. Agora, só me revejo no ter de me manter firme...

tags:

comentar
escrito por Dreamer, em 08.09.08 às 20:38link do post | favorito

Uma nova etapa começou hoje. Segundo ano de faculdade. Casa nova (para dizer a verdade mais velha do que nova), novas pessoas, ares diferentes, vida camuflada por uns tempos.

Voltei para cá na melhor companhia, mas custa sempre o regresso ao mundo real, o ficar longe de quem nos é mais importante, o aumentar do stress, o precisar de um abraço reconfortante e não o ter... Enfim, é tudo uma questão de hábito, eu sei, afinal já não é a primeira vez...

O importante é que, apesar do que correu menos bem e de quase ter desistido de lutar por mim, foram as melhores férias até hoje. Agora, nesta nova fase, acredito que se torne mais fácil lutar. Sinto-me apoiada como nunca senti e isso, mesmo muitas pessoas não reconhecendo a importância, é um dos factores mais fulcrais nesta minha caminhada. Sei que a motivação tem de partir de mim, e parte, apenas se tem atrasado algumas vezes, mas aquele empurrão que é necessário não posso ser eu a dá-lo a mim mesma. Somos seres interdependentes, percebi que preciso do apoio dos outros e percebi também que sou importante para apoiar alguém. Foi esse reconhecimento que me tem dado vontade de viver. Sinto-me útil aos outros e pouco mais que isso me deixa em paz interiormente.

Não vou esquecer o que fizeram por mim naquela noite, o que me fizeram sentir aquando da surpresa que me prepararam, das palavras, dos gestos, de tudo.

E não, não vou voltar a agradecer, apenas vou continuar a sorrir.

 


"Mais vale um sorriso triste que a tristeza de não saber sorrir".

Foste tu que mo disseste. Não esqueci.

tags: ,
sinto-me: com força para continuar :)
música: Intervalo - Per7ume e Rui Veloso

comentar
escrito por Dreamer, em 02.09.08 às 04:13link do post | favorito

Um segundo é quanto basta. Um segundo é tempo suficiente.

Num segundo podemos mudar completamente de estado de espírito. Podemos estar a sorrir e no segundo seguinte querer chorar. Podemos simplesmente estar e no segundo seguinte querer desaparecer. Mas também podemos sentir-nos sozinhos e no segundo seguinte sentirmos que há quem se preocupe connosco. Quem nos veja de verdade e não apenas nos olhe.

Hoje fizeram sentir-me como há muito não sentia. Penso que já não sabia como era. Melhor, talvez ainda soubesse, mas não queria de todo voltar a sentir que o sei.

Fui gozada, há que escrevê-lo com todas as letras. Todos os obesos sabem bem o quanto isso dói. É difícil explicar. Talvez me tenha sentido inferior, humilhada, ferida. Tenho noção de que as pessoas que me fizeram sentir assim não valem mais do que um caco. Contudo, no momento não se pensa isso, no momento apenas sentimos a dor de ser magoados. Tive muita vontade de chorar, ali mesmo. Não o fiz. Talvez o devesse ter feito. Bom, mas nem tudo é mau, percebi que tenho amigos verdadeiros com quem posso contar mesmo. Nunca vou esquecer. O que para vocês podem ter sido pequenos gestos para me fazer sentir melhor, para mim significaram muito. Obrigada por tudo uma vez mais.

Um segundo pode enriquecer uma pessoa.
 


"Um amigo verdadeiro é alguém que acredita em ti ainda que tu deixes de acreditar em ti mesmo."


comentar
escrito por Dreamer, em 22.08.08 às 09:10link do post | favorito

A felicidade não é algo adquirido e muito menos garantido. É muito relativa e inconstante. O que me poderá fazer feliz, a outra pessoa poderá não fazer. Hoje posso estar feliz e amanhã já não estar.

Para alguns (felizmente não para todos) a maior felicidade traduz-se pela posse de bens materiais. Para outros (e talvez para a maioria) passa pela saúde, pelo amor, pelos pequenos gestos que possam tranformar uma expressão fechada num sorriso aberto.

Posso não ser feliz, mas também não sou infeliz. Apenas tenho momentos melhores e piores. Ultimamente tenho tido momentos melhores, momentos felizes.

Senti-me como há muito não sentia. Sem constrangimentos nem medos. Senti-me livre. Senti-me igual. Senti-me bem. Senti-me feliz.

Sinto que estou a reaprender a viver. Sim, porque para viver não basta estar vivo, é preciso saber viver.  E eu não o soube durante algum tempo, talvez durante muito tempo. Se a culpa foi minha? Não sei, poderá ter sido.

Mas a "culpa" de estar a reaprender a viver não é só minha. Devo-o a quem não me deixou cair mais e me deu a mão. Foste tu sim. E tu também. Foram vocês. E vocês sabem quem são. Muito obrigada.

 


Nunca pensei que recuperar de uma otite externa fosse pior do que de uma operação por laparoscopia... Para a próxima prefiro ser operada de novo  

 


comentar
escrito por Dreamer, em 16.08.08 às 16:34link do post | favorito

"Caranguejo é o mais sensível, romântico e divertido de todos os signos. É bondoso, afectuoso. Esconde frequentemente as suas emoções. Gosta de atenção, de se sentir apreciado e amado. É muito apegado ao passado e às suas raízes. A família é a sua âncora. A imaginação a sua arma. Foge da fama e da exposição pública. É cauteloso, raramente cai em armadilhas, pois todos os passos que dá são seguros. O mesmo se passa com a parte afectiva, sentirá sempre que o podiam amar mais. Perde muito tempo a pensar nos erros que cometeu e na forma de os evitar. Quando está apaixonado envolve-se a cem por cento e sem reservas."

 

Sim, sou assim mesmo, sem tirar nem pôr.

Entrego-me a 100% a quem me faz bem. Rio. Partilho. Ajudo. Acredito.

Hoje sinto-me diferente. Perdida. Desiludida.

Sonho muito, eu sei. Sonhei desta vez, sonhei de outras tantas vezes, é verdade. Não importa. Não vou parar de sonhar.

 

Sonhadora. Cautelosa. Subtil. Sensível. Nostálgica. Protectora. Reservada. Tímida. Emotiva. Melindrosa. Pessimista. Instável. Ingénua. Insegura.

Sim. Sou eu mesma. Imperfeita como todos. Com virtudes e defeitos. Com medos e inseguranças. Com apertos no peito que só se sentem. Acima de tudo com vontade de vencer e sorrir...

 


Desculpem a falta de criatividade. Meras palavras soltas.

 

sinto-me: estranha

comentar
escrito por Dreamer, em 12.08.08 às 20:01link do post | favorito

Em pleno Verão de 1989 nascia uma Caranguejo de 53cm e pouco mais de 3kg. Aos três anos de idade é operada de urgência, a sua vida corria perigo. Sobreviveu. A partir dessa operação e apesar da alimentação saudável que levava, começa a engordar. A sua infância foi bastante activa, foi passada quase na totalidade em brincadeiras e corridas na rua, longe das transformações que os videojogos causaram nas infâncias das demais crianças.

Aquando da entrada para a escola primária,era já mais alta, não só dos seus colegas, mas também da sua professora. No entanto, nunca foi discriminada. Foi uma fase feliz e cheia de actividade.

Aos 10 anos viria o ensino básico e, aí, apesar de continuar com os melhores colegas que podia ter tido, foi muitas vezes discriminada pelos "miúdos grandes" da nova escola. Faziam-no para serem vistos como muito fortes e muito engraçados perante os outros amigos. Agora que pensa nisso até tem pena da ridicularidade deles, mas na altura a mágoa era muito grande. Só se sentia segura em casa. Onde ninguém a iria atormentar. Foram dois anos nessa escola.

Segue-se a próxima. Foi nessa altura que começou a sofrer em silêncio com uma doença. Pensou que a família tinha problemas bem mais graves com que se preocupar e ela decidiu nunca partilhar o que estava a acontecer. Foram poucas as vezes que se sentiu mal na nova escola, excepto nas aulas de educação física. Até aos 14 anos ia inventando desculpas para ir faltando às aulas onde eram praticadas as modalidades em que menos estava a vontade. Afinal, ela era a mais cheinha e gordinha de todos os seus colegas. E palavras como cheinha e gordinha apaziguavam o que na realidade era.

Aos 15 decidiu que a sua forma de pensar teria de mudar. E mudou. Novos colegas, novos amigos. E as velhas desculpas para faltar às aulas de desporto deixaram de existir. Decidiu não se inferiorizar perante si mesma. Não era menos que ninguém, pelo contrário, até tinha bem mais que os outros. (O sentido de humor foi algo que sempre a acompanhou, como a sua maior defesa.) Assim, as aulas de educação física tornaram-se das suas preferidas e nunca mais faltou, a não ser por motivos de doença, que não tardavam em chegar. No Verão de 2006 não aguentou mais a doença que a seguia desde os 12 anos. Foi ao médico e o que lhe foi dito assustou-a ao início. Fevereiro de 2007, mais uma operação, mais uma anestesia geral, mais uma batalha ultrapassada.

Antes da operação, em Janeiro, a 29 de Janeiro de 2007, começou uma longa batalha. Melhor, a maior Guerra da sua vida. Após ter consultado um nutricionista que lhe prescreveu um plano alimentar de reeducação, cumpriu religiosamente todos os parâmetros nos meses seguintes. Em menos de um ano conseguiu perder 15kg. Estava feliz, o seu esforço estava a dar resultado e estava a conseguir combater a sua doença crónica. Conseguiu reduzir um pouco o seu Índice de Massa Corporal, reduzindo assim a sua obesidade. Estava num bom caminho. Entrou na faculdade, foi viver para outra cidade, tudo era novo. Conseguiu continuar a cumprir o plano alimentar, mas agora o seu peso quase não se alterava. Foi perdendo a motivação. A juntar a isso, outros factores externos foram ajudando a complicar o seu percurso. Nos últimos tempos não tem tido aquilo de que mais necessita para conseguir continuar: Paz. Só pede que tenha isso. Não quer mais nada. Com Paz conseguirá dar rumo ao que tem deixado agora estagnado. Sim, não engordou, mas também não emagreceu. A próxima consulta está para breve e além de não querer desiludir-se a si própria, não quer também desiludir o seu médico, aquele que tanto "puxa" por ela, o único que a compreende. Ele sim sabe, a culpa não é dela...

música: It's My Life - Bon Jovi

comentar
escrito por Dreamer, em 10.08.08 às 13:55link do post | favorito

Bom, antes de mais, a todos que porventura passem pelo meu blog, sejam bem-vindos.

Há  muito que penso em criar um blog... hoje lá teve de ser. Porquê?

Bem porque a vida não é fácil e esta é uma forma de poder expulsar o que sinto, desabafar e acima de tudo partilhar.

Sou uma pessoa normal que como todas as outras ri e chora. Mas tenho uma característica que me distingue da maioria das pessoas.

Sim, sou obesa. E admiti-lo é o primeiro passo para que as próximas batalhas possam ser vencidas. Ninguém gosta de ser obeso como é óbvio. É uma doença crónica. Assemelha-se ao tabagismo e alcoolismo. Eu não fumo nem bebo e quero a todo o custo apaziguar a minha doença, mas esta guerra tem tudo menos tréguas e as pedras no caminho... bem... essas são mais que muitas.

Quero acreditar que tudo vai mudar e que vou conseguir que o meu sonho seja tornado realidade. Quero acreditar que vou ter força. Quero acreditar que não vou desistir. Quero acreditar que Eu Valho o Esforço.

 

Afinal só não consegue quem desiste...


comentários recentes
S.M. não sei se algum dia vais ler isto, mas... Es...
Não me parece que tenha sido a faculdade que te te...
Espero mesmo que este blog não termine e que tu co...
olá :)vou estando bem dentro do possível.há dias e...
OLA BOAS!!!DEPOIS DE MUITO TEMPO SEM NET LA ESTOU ...
mais sobre mim
Já perdi...

23 kg

(desde 29-Jan-2007)

"Só não consegue quem desiste..."

mais comentados
24 comentários
11 comentários
10 comentários
8 comentários
6 comentários
6 comentários
6 comentários
5 comentários
5 comentários
pesquisar no blog
 
Curiosos
Hospedagem de site

Obrigada pela visita :)